quarta-feira, 7 de abril de 2010

Tosse

Tosse Crônica




Quando a tosse não é normal?


A tosse é o principal mecanismo de defesa do pulmão. Ela impede que substâncias estranhas entrem no pulmão e ajuda a eliminar secreção.

É normal tossir ocasionalmente; entretanto, a tosse prolongada ou acompanhada de catarro ou sangue não é normal.

O médico classifica a tosse, por sua duração, em:

  • Aguda: quando dura menos que três semanas e, em geral, é conseqüência de resfriados.
  • Subaguda: durando de três a oito semanas, em geral, também é conseqüência de resfriados prolongados, mas necessita de avaliação médica.
  • Crônica: quando dura mais do que oito semanas e necessita de avaliação médica.
São três as causas mais freqüentes de tosse crônica: síndrome da tosse das vias respiratórias altas, asma e refluxo gastro-esofágico. O fumante freqüentemente acredita que é normal tossir, entretanto, a tosse é o sintoma mais característico do câncer de pulmão. Outras causas de tosse crônica são: bronquite eosinofílica não asmática, uso de um grupo de medicamentos usados no tratamento de pressão alta conhecidos como inibidores de Eca, bronquiectasia e, ocasionalmente, insuficiência cardíaca. Existem dezenas de outras causas de tosse crônica, pouco comuns.



Quais exames são feitos no NAT para avaliar um caso de tosse crônica?


A radiografia de tórax é realizada em todos os pacientes, uma vez que ela exclui inúmeras possibilidades diagnósticas. Freqüentemente também são solicitadas radiografia dos seios da face e provas de função pulmonar. Dependendo da suspeita e dos exames iniciais, o médico poderá iniciar o tratamento, que em geral demora algumas semanas.

A necessidade de outros exames dependerá da resposta ao tratamento inicial, podendo incluir: tomografia computadorizada de tórax, tomografia computadorizada dos seios da face, pHmetria esofágica de 24 horas, broncoscopia e análise do escarro.

O tratamento da tosse crônica geralmente é eficaz e, em mais de 90% dos casos, melhorará muito ou desaparecerá completamente após o tratamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário